Assistimos Creed – Nascido Para Lutar

 

“Creed – Nascido Para Lutar” é um Spin-off da série de filmes de Rocky, dirigido por Ryan Coogle, Michael B. Jordan no papel principal de Adonis Johnson e  marca o retorno de Sylvester Stallone para interpretar uma versão mais envelhecida do “Garanhão Italiano”, Rocky Balboa.

Adonis é fruto de uma relacionamento extraconjugal do boxeador Apollo Creed, entretanto ele não chegou a conhecer seu pai, pois quando o Apollo Creed morreu na luta contra Ivan Drago, Adonis ainda estava no ventre materno. Ainda na sua infância acaba perdendo também sua mãe e com isso acabava sempre em reformatórios juvenis, e como era um lutador nato e com seu temperamento explosivo que frequentemente resulta em brigas entretanto, sua fúria foi domada quando Mary Anne, a viúva legítima de Apollo Creed, que o encontra e decide se tornar sua mãe adotiva.

Anos depois, um Adonis adulto e bem-sucedido, e vive em uma mansão em Los Angeles. Mesmo assim, existe um desejo de se tornar um lutador, mesmo contra a vontade de Mary Anne, e como não tem o apoio de sua mãe e nem de seu treinador. ele acaba abandonando tudo para tentar treinar com o rival de Creed, Rocky. Quando chega na Filadélfia, ele tenta convencer o boxeador aposentado a treiná-lo para que possa construir seu próprio nome no mundo das lutas.

 

“Creed – Nascido Para Lutar” tem tudo o que a gente espera de um filme derivado dos filmes de Rocky, neste longa temos todos os tipos de clichês possíveis entretanto isso não estraga o flime, as coisas vão se encaixando direitinho e a nos emocionamos com a história e a nostalgia que ela nos traz.

Michael B. Jordan, é o ator que dá  vida a Adonis, e ele o fez muito bem, você torce para que tudo de certo como se tudo que estivesse acontecendo ali realmente fosse verdade, mas quando eu digo torce, eu não falo só das lutas, você acaba torcendo pela vida deste personagem, que larga tudo para viver o sonho de lutador, mas Adonis não quer viver a sombra de Apollo Creed, pois o mesmo tem medo que o comparem com o seu pai, e ele quer construir o sue próprio legado, e para isso o mesmo vai ter ajuda de Bianca (vivida por Tessa Thompson) e do Rocky Balboa.

E para abrilhantar mais ainda este filme temos Stallone encaixa como uma luva no papel do velho lutador, que encarna Mickey seu antigo treinador na hora de treinar Adonis. Após a morte de sua amada Adrian, Rocky fica em uma solidão intensa, mas cai nele como um motivo de orgulho, algo que pode ser visto mais nos seus olhos do que em suas ações e falas. Isso tudo sem abrir mão de alguns momentos em que é impossível não rir com suas dificuldades no mundo moderno.

A interação entre os personagens com a atuação dos atores só melhoram coisas. As cenas amorosas entre Adonis e Bianca, por mais curtas que sejam, mostram naturalidades sem apelar.

A luta final contra o campeão “Pretty” Ricky Conlan, por sua vez, conta com momentos brutais, mas que nem por isso deixa de ter sua própria beleza. Detalhes que vão desde closes nos momentos dos corners, golpes cheios de impacto e uma queda em câmera lenta do protagonista ao levar um soco devastador prendem a nossa atenção de forma inquestionável.

O filme em uma verdadeira montanha-russa de sentimentos. Trazendo os elementos com a dose certa de humor, o diretor criou um longa que transcende muito o que se espera da franquia cinematográfica.

Tenho certeza que os fãs da franquia Rocky iram gostar desse spin-off, pois ele é digino do legado que está franquia fez, e é muito linda todas as referencias que “Creed – Nascido Para Lutar” faz aos filmes do Rocky.

twitter: Rafael

 

 

Comentários

Comentários

Be the first to comment

Leave a comment

Your email address will not be published.


*